ESTRESSE

Quem propôs o termo foi o fisiologista austríaco Hans Selye.
Na Física esse termo significa o desgaste de materiais e é reconhecido pela medicina desde 1926.

No organismo humano nem sempre é maléfico. Trata-se de uma defesa natural, que acontece sempre que o organismo usa os seus órgãos de percepção e detecta algo estranho. O corpo se prepara, então, para a fuga. Isso ocorre por uma questão instintiva: tudo o que é estranho, é uma ameaça em potencial.

O sinal de alerta é dado por uma descarga hormonal. O hormônio chama-se Adrenalina e é produzido na Supra-Renal. São duas glândulas; cada uma situa-se sobre um dos rins.

Uma das funções da Adrenalina é fazer vaso-constrição, para que diminua a quantidade do sangue na periferia do corpo e vá irrigar melhor os órgãos necessários numa fuga, como por exemplo, os músculos. É por isso, que quando nos assustamos, sentimos aquele “friozinho” percorrer a espinha dorsal: a vaso-constrição faz o local esfriar bruscamente. O mesmo mecanismo dá origem à palidez do rosto.

O mecanismo químico começa no cérebro. Ele recebe a informação de que há algo estranho e Imediatamente libera uma substância produzida pela massa cinzenta, o ACTH. Este aciona as Supra-Renais, que excitadas, secretam a Adrenalina.

Os bichos também podem ser vítimas do estresse. Todos na natureza se estressam, pois, na iminência do perigo a fuga é reação natural. Do ponto de vista fisiológico é tudo igual, só varia o motivo.

Um estresse ininterrupto pode provocar doenças e, até, matar.
Os sintomas mais comuns são:
- Pupilas dilatadas: para ver melhor.
- Insônia: a Adrenalina bloqueia as informações das regiões do sistema nervoso responsáveis pelo sono.
- Pulmões ampliados: A respiração acelera-se e os alvéolos dilatam-se, para que entre mais ar; para que haja mais oxigenação dos músculos, caso o organismo precise deles para fugir.
- Rosto pálido: é por causa da vaso constrição dos pequenos vasos.
- Coração bate mais rápido: para enviar sangue mais ligeiro para músculos e órgãos envolvidos no processo de fuga.
- Falta de apetite: O Sistema Nervoso Simpático, que é a parte do Sistema Nervoso Autônomo que comanda o estado de estresse, altera as funções do sistema digestivo, fazendo o estômago encher-se de sucos gástricos, o que simula uma plenitude de alimentos na barriga, fazendo diminuir a fome.


Em casos de estresse a resistência do organismo cai porque durante a crise, a Hipófise (outra glândula, situada no cérebro) descarrega substâncias que atrofiam o Timo (glândula situada acima do coração), que é responsável pelo amadurecimento dos Linfócitos T. Esses glóbulos brancos são os “sentinelas” do organismo, identificando quando um invasor adentra no corpo. Por outro lado, as Supra-Renais libera hormônios corticóides que causam disfunção nas células brancas chamadas de linfócitos B, responsáveis pelo ataque propriamente dito ao invasor.

Outras doenças podem se confundidas com estresse. A pessoa pode estar com depressão, ou pânico. Mas outras enfermidades podem surgir em decorrência do estado de estresse, como: fadiga, sonolência, falta de memória, invasão por fungos e bactérias, originando micoses e infecções, problemas menstruais, hipertensão, infarto, gastrite, úlceras, diarréia crônica, asma, reações inadequadas às situações do dia-a-dia (nos casos mais graves, onde a medula das supra-renais param de funcionar por excesso de sobrecarga).

Crianças também têm estresse. Porquê? Porque são afetadas por problemas como separação dos pais, morte de familiares, variação de exigências entre o “pode tudo” e o “agora não pode”. Desentendimentos entre os familiares, mudança de moradia, ou de quarto, podem afetar o sistema nervoso do organismo infantil. Trabalhos escolares e muitos agendamentos de cursos, médico, atividades extra-classe são motivos de agitação nervosa constantes.

Qual a reação da criança? Pode ter tique nervoso, gaguejar, ter diarréia, ter medo, vontade de chorar, tristeza, dificuldade de concentração, timidez, terror noturno, palpitações, inquietude, mãos frias e suadas, dores de cabeça.

<< VOLTAR

 

Atenção: Algumas informações contidas neste site são destinadas a médicos, farmacêuticos e profissionais da área de saúde. Não utilize medicamentos "tarjados" sem a prescrição médica. Em caso de produtos "sem tarja" sempre leia atenciosamente a bula.
Ao persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

© 2009 Greenpharma Química e Farmacêutica Ltda. - Todos os direitos reservados